gallery/logo ordem aurora dourada

Grau de Zelator   1 = 10     

 

Este é o segundo grau da Ordem Externa da Aurora Dourada e é aqui, pela primeira vez, que o aspirante é chamado de "iniciado" ou "iniciada", tendo começado a ascensão pela Árvore da Vida

 

Este grau corresponde ao elemento Terra e a Grande Obra, para este grau de estudos, é definida como "obter controle dos fundamentos de meu próprio ser." 

 

A "Terra" é a base firme e sólida sobre a qual realizar todas as outras transmutações e ajustamentos elementais na aura do iniciado. Terra, no contexto, refere-se não só ao corpo físico (ossos, metais, carne) como à porção "terrestre" da mente do iniciado.

 

Num sentido mais prático, Terra aqui refere-se ao planeta Terra, esta nossa morada no Reino de Malkuth. 

 

O termo "Zelator" significa exatamente o que implica: aquele que "zela", toma conta ou supervisiona alguma obra. A função deste grau é nos preparar e fortalecer (Terra) para o trabalho posterior onde operamos com energias elementais poderosas que poderiam levar à desestabilização caso este fundamento sólido não tivesse sido estabelecido.

 

De todos os graus elementais da Ordem, este é o único considerado como a verdadeira iniciação, com os graus posteriores sendo considerados apenas como desenvolvimentos adicionais sobre este grau.

 

Aqui, o iniciado é apresentado a profundidades maiores em seus estudos de Qabalah, magia, mistérios Osirianos, trabalho com energias elementais, meditação e o trabalho com os Anjos.

 

Nesta fase o estudante aprende sobre os relacionamentos alquímicos entre o corpo físico, o eu e seu ambiente.

 

Os temas do grau anterior continuam a ser estudados, com a inclusão de lições adicionais em:

 

  • Trabalho com os Arcanjos
  • Formas Divinas Egípcias
  • Invocações Elementais
  • Criação de Seres Elementais
  • Construção de uma Fundação Espiritual

O mito que é apresentado na cerimônia de Zelator é o do Antigo Tabernáculo no Deserto, relatado no Livro do Êxodo.

 

Inicialmente o neófito é testado sobre seus conhecimentos e realizações do grau anterior. Após novo juramento, ele é levado a duas estações. Uma do mal e outra do bem. Em ambas as estações ele é rejeitado e então segue pelo Caminho do Meio, em Equilíbrio.

 

Novamente, é impedido pelo Guardião, mas finalmente é deixado livre pelo Guarda da Alma Celeste. Neste momento da cerimônia, o elemento Terra é afixado na aura ou esfera de sensação do iniciado. O significado e profundo simbolismo do Tabernáculo no Deserto é revelado ao iniciado, além de outros simbolismos relativos ao elemento Terra.

 

Esta cerimônia e grau são de especial importância para o  futuro trabalho do iniciado, que será testado em diversas situações, pela própria Vida e pelos Chefes Secretos, para realizar todos os ajustes e harmonizações necessários à sua plena Integração. Aqui se separa os homens das crianças. Cuide para que seus motivos para tornar-se um mago ou maga sejam puros e isentos de desejo de fuga da realidade, busca por honrarias vãs ou ânsia de poder sobre os outros.

 

Os que não trabalharam estes aspectos de seu  íntimo serão afastados pela própria Ordem e seus "Chefes Secretos". Este trabalho de seleção natural existe em cada um dos graus da Ordem Externa, mas este grau, em especial, atua de maneira infalível sobre os que não estão preparados para a tarefa de transformação alquímica.

 

 O iniciado enfrenta os dragões do subconsciente, seus temores, desequilíbrios e paixões, as máscaras do Ego. Este trabalho harmonizador com sua própria "sombra" deve ser completado antes que se possa avançar para o grau seguinte.

 

Um iniciado deve receber todos desafios com coragem e responsabilidade.

 

Mais detalhes são fornecidos no material do grau.

 

 

Graus da Ordem Golden Dawn

 

Neófito 0 = 0  

        Este é o primeiro grau da Ordem Externa da Golden Dawn e, em muitas maneiras, seu rito iniciatório destaca-se das outras cerimômias de iniciação aos graus subsequentes da Ordem. O  0=0 é indicativo de que  este grau não faz parte de nenhuma esfera da Árvore da Vida Qabalística. A cerimônia é uma introdução ao processo de iniciação  e ao extenso curriculum da Ordem.

Desta rica e profunda cerimônia, repleta de significados, derivam-se praticamente todas as técnicas e fórmulas da Ordem.

É a chamada "Fórmula do Neófito".

Esta cerimônia é designada para atrair a LUZ DIVINA até o templo, por meio da atuação dos oficiais ritualísticos, e a implantação desta Luz na aura ou esfera de sensação do candidato.

Este grau é um período onde o candidato é considerado um "probacionista", ou seja, a Ordem testa o aluno para verificar sua disciplina, caráter e determinação em realizar a Grande Obra.  O estudante, por sua vez, prova (testa) a Ordem para verificar sua compatibilidade com o espírito (egrégora) da Ordem e para obter um entendimento básico sobre a Arte Hermética. 

Nesta fase o estudante deve meditar e escolher o seu moto ou lema mágico que norteará este período de seu progresso. Instruções detalhadas sobre este  são fornecidas.

 

O embasamento mitológico para a Cerimônia de Iniciação do Neófito está no conceito egípcio do Salão de Julgamento relatado no antigo Livro dos Mortos do Egito Antigo. A cerimônia envolve repetidas purificações, a confissão de que o "morto" (representado pelo candidato) não cometeu uma série de atos negativos. Após o que, o "morto" contempla a pesagem de suas passadas ações no plano terrestre, na Balança de Maat. Tudo é registrado por Thoth, o deus escriba, enquanto a um ponto Ammit, um animal horrendo (a persona malefica do indivíduo) aguarda para devorar a alma daquele que tenha vivido uma vida má e indigna.  Ao vencedor é dado o prêmio supremo: ser levado pelo deus Hórus até Osíris (deus da morte e ressureição) em seu trono. Ali encontra-se o eterno símbolo da transformação: a flor de lótus que surge imaculada em meio ao lodo. Em meio à Luz Infinita, ocorre então a sagrada união do morto ao Redentor (Osíris), coroando a cerimônia.

 

Sem a menor dúvida, uma das mais belas cerimônias já desenhadas na Tradição de Mistérios do Ocidente, e uma que não é apenas representação teatral. Por meio de técnicas mágicas, os oficiais ritualísticos "incorporam" ou canalizam e representam as divindades egípcias do belo drama ritual e a maior parte da "ação"ocorre realmente no nível "astral".

 

Os próximos quatro graus estão relacionados com os quatro elementos: Terra, Ar, Água e Fogo.

 

 

Material de Estudo e Práticas do Grau:

Banir e Limpar a Aura (Esfera de Sensação)

Técnicas para invocação da Luz Divina

Técnicas de Cura

Trabalho do Neófito

Iniciação à Astrologia

Iniciação ao Tarot e Adivinhação

Meditação

Simbolismo da Alquimia

gallery/rosacruz icone
gallery/arvore da vida kabbalah golden dawn
gallery/arcanjo miguel golden dawn
gallery/220px-seshat.svg
gallery/inn
gallery/sachiel_sigilo golden dawn brasil
gallery/olho horus